Qual seu tipo de espumante preferido? Aprenda a diferenciá-los!

Qual seu tipo de espumante preferido? Aprenda a diferenciá-los!

 

Neste artigo, vamos abordar um tema delicioso e que muitas vezes acaba causando grandes questionamentos por parte das pessoas. A começar pela pergunta mais popular sobre o assunto: afinal, qual a diferença entre o Espumante e o Champanhe?

Na realidade, o espumante é um vinho que provém de uma segunda fermentação, sendo esta, processada dentro da própria garrafa, ou com outro método que garanta a produção de Gás carbônico, que quando liberado, proporciona a grata sensação das bolhas ao paladar (perlage). Os espumantes produzidos em Champagne (nordeste da França), para receberem esta denominação, precisam obrigatoriamente, que a segunda fermentação seja feita na garrafa e assim estarem sob esta denominação de origem, onde ocorreu o processo pela primeira vez, ocasionalmente.

Vale ressaltar que, o nome é protegido por legislação mundialmente respeitada.

Conheça abaixo alguns dos principais tipos desta bebida, para uma apreciação mais rica e prazerosa.

 

CHAMPAGNE

Como citado acima, essa bebida surgiu na região de Champanhe na França, e foi aprimorada pelo monge beneditino Dom Perignon. O Champagne provém da mistura de diversos vinhos, sendo obtida depois da separação e prensagem correta das uvas escuras que predominam na região citada, para que se extraia o sumo cristalino da uva, produzindo espumantes brancos e rosados.

Aliado a estes processos, também está o uso de garrafas mais grossas e também das rolhas de cortiças, além, é claro, do armazenamento nas adegas que ficam em adegas profundas, o que permite manter uma temperatura constante.

A proporção de mistura de vinhos, para a composição final do Champanhe, é em torno de 30 até 200 vinhos. O Champanhe só pode ser produzido e com as castas Pinot Noir, Pinot Manier e Chardonnay, cultivadas nesta região.

 

PROSECCO

Este, um espumante com características um pouco mais adocicadas, sua classificação leva de 15 a 20 gramas de açúcar por litro. Sua origem é italiana e provém do seu local de produção. É produzido a partir da Uva Glera que era conhecida como Prosecco, e sua classificação e nomenclatura são também preservados por uma legislação (que tem como base, a região geográfica no qual o fruto é cultivado).

 

CAVA

Este vinho tem sua produção estabelecida na Espanha, usando o método tradicional da Catalunha. Ele foi introduzido na região por volta de 1823, proveniente do método usado para o Champanhe que foi trazido juntamente com a ocupação do exército francês na região Catalã.

São três as uvas usadas na produção desta bebida: o Macabeu, que colabora e determina a doçura juntamente com o perfume; a Parellada, que entra com o frescor e aroma; e também o Xarel-lo, que complementa com a estrutura e corpo da bebida.

 

OUTROS ESPUMANTES

Existem também algumas outras variações. Outros tipos que provêm do mesmo método de fabricação, mas que se diferenciam por serem feitos a partir de suas localizações e frutos ali produzidos. Confira abaixo alguns:

Asti spumante

Produzido na cidade do mesmo nome (Asti), a noroeste da Itália. Traz um acentuado aroma de uvas, é adocicado e sua principal diferença é o baixo teor alcoólico.

Sekt

Esta bebida é produzida na Alemanha, sendo elaborada com uvas brancas. Seu teor alcoólico é no mínimo de 10%.

 

MÉTODOS DE FABRICAÇÃO

Para um melhor entendimento sobre os vinhos espumantes, conheça abaixo os detalhes dos métodos usados na fabricação deste incrível vinho:

Método Charmat

Este método está diretamente ligado a segunda fermentação, e foi estabelecida por volta de 1895, que seria a fermentação em grandes vasos. Em 1910, porém, foi construído um equipamento que substituiria os vasos por tonéis pressurizados (hoje, denominado Autoclave).

C este método, foi possível produzir espumantes em maior quantidade e isso trouxe um sucesso comercial surpreendente. Com custo relativamente baixo, o método Charmat é considerado relativamente “popular”.

Método Champenoise (Tradicional)

Este método é ainda realizado da maneira natural/manual como sempre foi realizado, levando um tempo maior para sua completa formação. Exige mão de obra pessoal, o que torna a bebida mais cara. Consiste na fermentação em sua própria garrafa.

Sendo assim, é necessária uma garrafa elaborada com espessura mais forte, para permitir a fermentação correta sem o risco de estourar. Passado o período de descanso, essas garrafas são colocadas com o gargalho para baixo, deixando a garrafa inclinada sendo giradas periodicamente (remuage). Após este processo, acontece a troca da tampa para que o produto seja finalizado.

 

CLASSIFICAÇÃO POR NÍVEL DE AÇÚCAR

Por fim, o último fator para classificação dos diferentes tipos de espumantes. Confira as categorias abaixo:

Espumante Nature

Bastante seco,  obtido através do percentual de três gramas de açúcar por litro, resultado adquirido através da exclusão do licor de expedição (que é o responsável pelo teor de açúcar).

Espumante Extra-brut

Este processo leva de três a oito gramas de açúcar por litro, e são conhecidos por serem secos. Porém, tem um sabor complexo e ao mesmo tempo delicado, sua secura está ligada diretamente à sua acidez.

Espumante Brut

Considerado seco, este espumante leva em sua produção a porcentagem entre 8/15 gramas por litro, obtendo uma bebida com frescor e acidez acentuados.

Espumante Extra Dry (utilizada para classificação de Proseccoss)

Nesta bebida, são encontradas variações de 15/20 gramas de açúcar por litro. Apesar do nome, essa bebida é leve, não é doce e contém uma acidez suave. Ideal para quem está iniciando a prática de degustação de espumantes.

Espumante Demi-sec, Meio Seco ou Meio Doce

Neste processo, o percentual de açúcar varia de 20/60 gramas de açúcar por litro da bebida, e é ideal para o acompanhamento de sobremesas leves e frutas.

Espumante Doce

Neste espumante encontra-se 60 gramas de açúcar por litro da bebida, sendo de todos os citados, o mais doce (percebido ao paladar na degustação). Acompanha bem uma deliciosa sobremesa, como bolos, tortas e também frutas. Faz ótima harmonização com queijos curados e azuis.