Vinho seco, meio seco, suave e doce: entenda as principais diferenças

 

Vinho seco, meio seco, suave e doce: entenda as principais diferenças

Para entender as principais diferenças entre vinho seco, meio seco, suave e doce é preciso compreender que essas características estão ligadas à quantidade de açúcar presente na bebida e, consequentemente, como a doçura se comporta no paladar.

Outro ponto importante é que, ao pé da letra, o termo “suave” é uma classificação atribuída a vinhos elaborados com uma quantidade maior de açúcar, portanto não se aplica às características seco, meio seco e doce.

Consideramos que a intenção de busca por vinhos suaves revela o desejo do consumidor de degustar vinhos macios, sem muita presença de álcool, com taninos finos. Tudo isso é essencial para entender o tipo de vinho que mais se adapta ao seu paladar, e qual vinho vai proporcionar a melhor experiência de consumo e degustação.

Então, se o seu objetivo nessa busca é conhecer as características do vinho para escolher melhor seus rótulos preferidos, esse post foi elaborado exatamente para te ajudar nessa escolha! Vamos lá?

 

Afinal, quais são as diferenças entre vinho seco, meio seco e “suave”? 

O vinho conta com tipos de categorização que envolvem a uva utilizada na produção e a doçura conferida à bebida. Ambas estão diretamente ligadas à definição de praticamente todas as outras características.

Assim, podemos dizer que a principal diferença está na quantidade de açúcar perceptível, sendo que os popularmente chamados suaves são mais doces e, consequentemente, têm um teor mais elevado de açúcar. Por outro lado, os secos são aqueles que contam com pouca ou nenhuma doçura no paladar.

Vale destacar que durante o processo de fermentação do vinho o açúcar é convertido em álcool e outras propriedades que formam as características da bebida. Nesse sentido, quando se usa uvas de menor qualidade, que não oferecem açúcar suficiente, os produtores costumam adicioná-lo de forma artificial — e isso é facilmente percebido na qualidade e no sabor do produto.

 

Quais são as características dos vinhos secos?

 

Os vinhos secos são os que têm pouco ou nenhum açúcar perceptível ao paladar. Quando são degustados, oferecem aromas, nuances e complexidade ao paladar, sem que essas sensações sejam “roubadas” pela doçura.

No que diz respeito à classificação de vinhos presente na legislação, deve-se ter, no máximo, 4 gramas de açúcar para cada litro de vinho seco. Além disso, quando se fala de vinhos tintos brancos ou rosés, os secos são considerados os mais sofisticados, com exceção de alguns vinhos de sobremesa.

De modo geral, um vinho seco costuma ter sabores que remetem a flores e frutas, especiarias, entre outros aromas naturais. Os tons são mais escuros e marcantes.

 

Quais são as características dos vinhos meio secos?

 

Os vinhos meio secos, também chamados de demi-sec, estão em um meio termo entre os vinhos secos e os chamados suaves — como se pode imaginar. Entretanto, não é possível afirmar que ele seja menos ou mais doce na percepção do paladar.

Essa categoria é composta por um açúcar residual que pode representar de 4g a 25g por litro de vinho. Na prática, isso quer dizer que, dependendo da composição, ele pode estar muito próximo de um vinho seco, mas também pode ser bastante doce (tornando o gosto mais semelhante a uma bebida suave nas características).

 

Quais são as características dos vinhos suaves? 

 

Bom, então você já sabe que a utilização do termo suave para característica de vinho é equivocada, sendo que o ideal seria “doce”, certo?

Vimos essa referência logo no início do post. O termo suave, na verdade, é uma classificação. Portanto, ao procurar um vinho nessas condições, a sugestão é que se utilize termos relacionados às suas características como:

  • Vinho macio;
  • Vinho sem muita presença de álcool;
  • Vinho com taninos finos.

Em resumo, utiliza-se suave para vinhos que são elaborados com uma quantidade maior de açúcar. Logo, dificilmente consegue-se fugir da doçura (causada pelo açúcar residual, como explicado) que vem do suco utilizado na produção ou adicionado à mistura.

Para que um vinho seja considerado suave, ele deve conter, pelo menos, 25g de açúcar por litro de bebida. Isso significa que ele será 6 vezes mais doce que um vinho seco, no mínimo.

 

A quantidade de açúcar tem relação com a qualidade do vinho?

O que você diria?

Para muitas pessoas, o açúcar é um ingrediente com o qual nosso paladar já está bem acostumado. Devido a isso, é comum que se faça associações equivocadas do tipo: quanto mais doce for um vinho, mais qualidade ele tem.

Isso pode acontecer com o paladar de quem não teve a oportunidade de fazer uma degustação mais específica e complexa. Nesse contexto, como já explicamos, quanto mais doce é um vinho, mais açúcar residual (que não foi fermentado) ele tem no resultado. Em algumas ocasiões, isso pode gerar um produto mais frutado, mas, de forma alguma, deve-se dizer que isso representa uma qualidade superior. Pelo contrário, alguns enófilos consideram o oposto disso.

Foi possível perceber quais são as principais diferenças entre vinho seco, meio seco, suave e doce? Nosso objetivo é te ajudar nas suas buscas pelo vinho ideal, indicando o contexto das classificações para diferentes paladares.

Gostou do post? Quer continuar acompanhando outras publicações e aprender mais sobre vinhos?

Então siga nossos perfis nas redes sociais e fique por dentro de todas as novidades que postamos. Estamos no Instagram, Facebook e Twitter. Aproveite para também assinar nossos conteúdos.

Se preferir, pode conferir aqui nosso novo catálogo de vinhos que está repleto de novidades com vinhos importados que vão agradar paladares distintos e exigentes. Confira!