Aprenda a Degustar Vinhos Como um Legítimo Sommelier

Aprenda a Degustar Vinhos Como um Legítimo Sommelier

No final das contas, todos nós que gostamos de um bom vinho gostaríamos de ter o conhecimento de um sommelier, não é mesmo?

Existem 4 etapas de degustação que são praticadas constantemente por sommeliers para refinar seus paladares e afiar suas habilidades de recordar vinhos.

Embora sejam técnicas utilizadas por profissionais, os métodos são simples de entender e podem ajudar qualquer pessoa a melhorar a sua avaliação de vinhos.

 

Agora, você vai aprender a degustar vinhos como um legítimo sommelier! Vamos começar?

 

1. Analisar o vinho

  

Idade

A medida que vinhos brancos envelhecem, eles tendem a mudar para cores mais amareladas ou marrons, aumentando seu pigmento no geral. Por outro lado, vinhos tintos tendem a perder sua cor, tornando-se mais transparentes ao longo do tempo.

  

Possíveis Variedades de Uva 

Confira a seguir algumas pistas que podem ser encontradas na cor e nas variações da borda:

Geralmente, vinhos à base de Nebbiolo e Grenache terão uma cor granada translúcida ou alaranjada em sua borda, mesmo quando jovens. Pinot Noir frequentemente apresenta uma cor vermelha ou rubi, especialmente quando originam de climas mais frios e Malbec geralmente apresentam borda de cor rosa magenta.

  

Álcool e Açúcar

As lágrimas (viscosidade) podem mostrar se o vinho possui teor alcoólico alto ou baixo e/ou muito ou pouco açúcar. Quando a lágrima é mais grossa e viscosa, certamente o vinho apresenta mais álcool e açúcar residual em sua composição.

  

2. Sentir o Cheiro

Quando você cheirar um vinho, pense nas categorias mais amplas primeiro. Ele é frutado? Tente perceber as frutas cítricas, de pomar ou tropicais nos vinhos brancos; ou frutas vermelhas, azuis ou pretas nos vinhos tintos. Tentar identificar uma nota muito particular pode ser uma atividade complexa e frustrante.

Os aromas entregam quase tudo sobre um vinho: a variedade de uvas, se foi envelhecido num barril de carvalho, a região de onde veio... Até mesmo a sua idade! Um nariz e paladar bem treinados conseguem observar todos esses detalhes sem grandes dificuldades.

Mas... De onde vêm os aromas?

Notas como “massa de torta”, por exemplo, são na verdade compostas pelos chamados estereoisômeros, que são capturados pelo nosso nariz a partir da evaporação do álcool.

O funcionamento é semelhante ao daqueles adesivos de "arranhar e cheirar”. Uma única taça pode ter centenas de compostos diferentes, o que explica o fato de pessoas encontrarem tantas notas diferentes em um mesmo vinho.

No entanto, nem tudo são flores. É fácil se perder na linguagem, já que cada um de nós interpreta aromas individuais de forma relacionada, porém um pouco particular. Um cheiro de “limão siciliano doce” para você pode parecer como “suco de tangerina” para outra pessoa.

Vocês dois estão falando da qualidade cítrica do vinho. E ambos estão certos – só que estão expressando a mesma ideia com algumas palavras diferentes. De forma geral, você pode dividir o aroma de um vinho em três categorias primárias:

Aromas Primários são derivados das uvas e incluem notas frutadas, de ervas e florais. Por exemplo, Barbera geralmente terá cheiro de alcaçuz ou anis, e isso se dá por causa dos compostos nas uvas de Barbera em si e não propriamente pela erva-doce.

Aromas Secundários originam das práticas de criação do vinho, ou seja, do processo de fermentação em si. Os aromas mais comuns derivam do fermento e são mais facilmente identificados em vinhos brancos, como casca de queijo, casa de nozes (amêndoa ou amendoim), ou cerveja velha (sim, alguns aromas podem ser bem estranhos!).

Aromas Terciários surgem do envelhecimento, da oxidação, do armazenamento em barril e/ou na garrafa. Esses aromas são mais saborosos, como nozes torradas, especiarias ao forno, baunilha, folhas de outono, tabaco velho, couro curado ou cogumelo. Frequentemente os aromas terciários modificam os primários, com o cheiro de fruta fresca de um vinho novo mudando para um cheiro mais seco e concentrado à medida que ele se desenvolve.

 

3. Degustar o vinho

"Degustar" é como usamos nossas línguas para observar o vinho. Porém, a partir do momento em que você engole o vinho, a percepção dos aromas pode mudar.

Provar: Nossa língua é capaz de detectar salgado, doce, azedo ou amargo. Todos os vinhos terão um pouco de azedo, pois as uvas por si só já possuem alguma acidez que varia de acordo com o clima e seu tipo. Algumas são conhecidas por serem amargas, como Pinot Grigio, que se manifesta como um tipo de sabor leve e agradável, semelhante à água tônica. Alguns vinhos brancos de mesa têm uma pequena porção dos açúcares da uva retidos, e isso acrescenta uma doçura natural a eles. Por último, alguns vinhos apresentam uma característica salgada, mas somente em casos muito raros de tintos e brancos salgados.

Textura: Sua língua consegue “tocar” o vinho e perceber sua textura. A textura no vinho está relacionada a diversos fatores, mas o aumento dessa sensação quase sempre acontece em vinhos mais maduros e com maior teor alcoólico. O álcool confere textura ao vinho, passando a sensação de ser mais “pesado” que a água. Os taninos também podem ser detectados na língua, dando aquela "sensação secante de lixa" nos vinhos tintos.

Comprimento: O gosto do vinho também é baseado no tempo, com um início, um meio (mid-palate) e fim (acabamento). Quanto tempo leva até que o sabor do vinho não esteja mais com você?

Com bastante prática, você irá conseguir provar um vinho às cegas e saber o estilo, a região e até, possivelmente, o vintage! Aqui estão alguns detalhes em que você deve prestar atenção:

Vinhos Secos: A maioria das pessoas colocaria um limite de cerca de 10 g/l RS num vinho seco, mas o limiar da percepção humana é de somente 4 g/l RS. A maioria dos Champagnes Brut apresentam cerca de 6 a 9 g/l RS, enquanto o Riesling alemão comum pode ter 30 ou 40 g/l RS.

Acidez Faz a Diferença: Vinhos com essa característica são menos doces, pois geralmente a doçura e acidez são percebidas em conjunto e não individualmente.

Acidez: Tem grande papel no perfil geral do vinho, em função do fator “água na boca” que comanda a sensação refrescante de um vinho. Você pode usar essas pistas para determinar se um vinho é de um clima quente ou frio, ou até por quanto tempo ele pode envelhecer. Existem muitos tipos de ácidos nos vinhos e a acidez geralmente é medida em níveis de pH.

Você geralmente percebe a acidez como uma sensação de água na boca e aquela pequena "dor" no fundo da mandíbula. O pH dos vinhos normalmente varia de 2,6 (considerado muito ácido) até 4,9 (pouco ácido).

Alta Acidez: indica vinhos de uma região de clima mais frio, ou uvas que foram colhidas antes de maduras.

Baixa Acidez: tende a ter um gosto mais cremoso, com menos qualidades de “água na boca”.

Muito Baixa Acidez: terá um gosto flácido.

Tanino: É uma característica do vinho tinto que pode nos dar informações sobre o tipo de uva, se o vinho foi envelhecido no barril de carvalho ou até mesmo por quanto tempo o vinho poderá envelhecer. Você só percebe taninos no seu paladar com os vinhos tintos - eles deixam aquela sensação bem secante na boca.

Os taninos vêm de dois lugares: da pele e semente da uva, ou do envelhecimento no barril. Cada variedade de uva tem seu próprio nível de tanino. Por exemplo, Pinot Noir e Gamay apresentam baixos níveis de tanino, enquanto Nebbiolo e Cabernet contam com níveis muito altos. Diferenciar taninos de barril de taninos de uva é uma tarefa extremamente difícil. Portanto, não se preocupe caso não acerte de primeira.

Taninos de Uva são tipicamente mais abrasivos e podem apresentar um gosto mais “verde”.

Taninos de Barril geralmente têm gosto mais suave e redondo, atingindo o centro de sua língua.

Álcool: O teor alcoólico pode nos mostrar a intensidade do vinho e a maturidade das uvas que fizeram parte da produção.

O álcool varia de 5% APV a 16% APV (Álcool Por Volume). Um vinho de mesa abaixo de 11% geralmente apresenta uma leve doçura natural. Vinhos secos de 13,5% até 16% são mais pesados e intensos em termos de sabor. Vinhos fortificados variam de 17% a 21% de APV.

Teor alcoólico está diretamente relacionado com a doçura das uvas antes do processo de fermentação. Por isso, um APV mais baixo (11% ou menos) terá uma doçura natural; afinal, o açúcar da uva não foi todo transformado em álcool. Além disso, esse nível de APV acrescenta um pouco de corpo e textura ao vinho.

Regiões mais quentes produzem uvas mais maduras, com potencial para resultarem em vinhos com maior teor alcoólico.

Corpo: pode nos dar pistas sobre o tipo de vinho, a região onde foi cultivado e, possivelmente, o envelhecimento em barril. O corpo geralmente está relacionado ao álcool, mas pense no corpo como a maneira que o vinho “descansa” em seu paladar. Quando você mexe o vinho em sua boca, ele deixa a sensação de leite desnatado, semi-desnatado ou integral? Essas texturas correspondem mais ou menos a um corpo leve, médio ou encorpado, respectivamente.

 

4. Conclusão

Essa é a oportunidade para resumir o vinho. Qual é o perfil geral dele? Apresenta gosto balanceado (em outras palavras: muito ácido, muito alcoólico, ou muito tânico)? Você gostou do vinho? Esse vinho é único ou pouco memorável? Possui alguma característica que te impressionou mais?

Num cenário de degustação às cegas, esse é o momento para tentar adivinhar qual vinho você está degustando. Faça esse tipo de teste para praticar suas habilidades!

Ao ativar o raciocínio durante a degustação, nós conseguimos mudar completamente a forma de perceber o vinho. Experimente colocar nossas dicas em prática e degustar vinhos como um verdadeiro sommelier!

Se você procura comprar vinhos online, confira diversas opções e as melhores safras aqui em nossa loja!

 

Sobre a Via Vini

Estabelecida na cidade de São Paulo, atuando há mais de 12 anos no mercado de vinhos importados, a Via Vini conta com uma equipe de profissionais altamente qualificada com experiência adquirida nas maiores importadoras de vinhos do país.  

Com um portfólio dos mais variados a Via Vini preza pela procedência e qualidade na seleção dos seus vinhos, armazenando-os em ambiente climatizado e conferindo respeito e cuidado durante todo processo de logística. O nosso compromisso é a total satisfação de nossos clientes.

Continue acompanhando o blog para aprender cada vez mais sobre vinhos e consumir todo o conteúdo que criamos especialmente para você!