coleção de vinhos

Os vinhos, assim como carros clássicos ou peças de arte, possuem histórias bem documentadas e valores diferenciados. 

Isso faz com que sejam naturalmente perfeitos para colecionar, afinal, vinhos raros estão entre os colecionáveis mais procurados do mercado. 

O começo nem sempre é fácil, mas todo mundo precisa começar de algum lugar, não é mesmo?

Separamos 10 dicas para você começar a colecionar vinhos agora mesmo! Acompanhe.

Por que alguns vinhos têm preços tão altos?

Assim como vários colecionáveis de alto padrão, os preços de alguns vinhos podem parecer absurdos para quem não entende. 

Em 2011, por exemplo, 2 garrafas de Champagne resgatadas de um navio naufragado há 170 anos foram leiloadas por US$78.400 - detalhe: cada uma! 

O mais incrível é que elas ainda estavam próprias para consumo, uma vez que permaneceram “guardadas” de lado, no escuro e sob a pressão do fundo do oceano. 

Essas garrafas foram vendidas por um preço tão alto não apenas por serem raras, mas também por sua história e documentação, o que fez seu preço disparar assustadoramente.

Agora que já sabemos um pouco mais sobre o porquê dos preços, vamos compartilhar algumas dicas que você deveria considerar antes de iniciar a sua própria coleção de vinhos.

1. Tenha uma (boa) renda disponível.

Não tente navegar pelos mares do colecionismo de vinhos se você não estiver preparado para arcar com cifras astronômicas. 

O custo de colecionar se resume à compra de rótulos cobiçados. 

É necessário investir em um local adequado para o armazenamento, contratação de seguros específicos, registro de documentação... 

Os custos irão até onde você esteja disposto a pagar.

2. Mantenha o controle das garrafas que você já tem

Organização é um fator indispensável para o armazenamento. No mínimo, procure saber onde está cada garrafa e quantas você tem. 

Existem softwares que auxiliam bastante nessa parte, mas até uma planilha do Excel pode fazer esse trabalho com dignidade. 

Quanto ao consumo, obviamente não há problema algum em degustar os rótulos de sua coleção. 

No entanto, lembre-se sempre de registrar essa baixa em algum lugar, de preferência com anotações detalhadas da experiência. 

3. Invista numa adega que faça jus aos rótulos que irá receber.

Vinhos – especialmente os mais antigos – precisam ser manuseados delicadamente. 

Eles precisam ser mantidos em ambientes frios e úmidos (15°C, 65% de umidade relativa). 

Lembre-se disso caso você esteja planejando montar uma adega em seu porão, pois a umidade pode ser um problema. 

As adegas ideais possuem um ambiente próprio, e são bem insuladas e seguras.

4. O valor inicial conta muito

Vinhos considerados valiosos, raros e altamente procurados hoje, certamente irão ditar o que será desejável no futuro. 

Reflita: vale a pena guardar o seu vinho? Pense no quão relevante é aquele rótulo, qual é a história da vinícola e se ele tem uma boa procura no mercado.

5. Guarde toda a documentação

Sim, tudo mesmo! O recibo da compra original, o texto do leilão original, o cartão da pessoa que te vendeu... Tudo! 

Adicionalmente, escreva uma descrição detalhada da garrafa incluindo possíveis caracteresticas que a façam ser única. 

Guarde esses documentos assim como você guarda seu vinho valioso: seguramente armazenados e catalogados. 

Isso é válido para vários tipos de coleções, mas é especialmente importante para vinhos.

6. Faça avaliações de rotina em sua coleção

O mercado de vinhos consegue ser bem volátil, então é bom manter uma documentação ao longo do tempo para acompanhar a variação de valores e cotações. 

Em caso de algum acidente, caso você queira acionar o seguro para seus vinhos mais raros, é necessário ter uma documentação dos valores avaliados mais recentes. 

Tome nota de quanto tempo o vinho dura e quando ele atingirá o seu auge.

7. Não manuseie seus vinhos excessivamente

É sempre bom apresentar nossa coleção aos amigos, mas para isso você também pode usar toda aquela documentação catalogada. 

Tente manter suas garrafas em repouso, não as mova de lugar a não ser que realmente seja necessário. 

Se você comprou recentemente um vinho muito velho, deixe-o descansar por 4 a 6 semanas antes de pensar em bebê-lo. Eles são bastante sensíveis!

8. Fique atento a cópias e falsificações

O vinho é um dos colecionáveis mais fáceis de falsificar. 

Desconfie de um Champagne de 1860 vendido em um quiosque qualquer, mas também saiba reconhecer um bom negócio quando aparecer.

Por isso é tão importante ter sempre a documentação em mãos. Ao negociar uma garrafa valiosa, procure conhecer o máximo de detalhes sobre ela e conferir  nos documentos disponíveis.

9. Comece pequeno

Sua coleção de vinhos não precisa começar nos leilões mais concorridos. 

Onde você estiver, haverá pelo menos um grupo de colecionadores de vinho, leilões locais e pessoas bem informadas que poderão te ajudar a conseguir impulsionar sua coleção. 

Procure por garrafas interessantes da região, com aspectos diferenciados, que se adequem a sua coleção e ao seu paladar.

10. Foque no que você gosta

Tendências comandam o mercado, mas você está colecionando vinhos porque tem paixão por isso, certo? Não deixe que os dois se confundam. Compre, armazene e beba o vinho que você gosta. 

As tendências podem ser boas referências para um possível investimento, mas sempre compre o que você realmente deseja.

Colecionar vinhos é uma atividade interessante. Você vai conhecer novos rótulos, histórias e pessoas. Escolha as garrafas que chamam a sua atenção, cabem no seu bolso e podem ser devidamente armazenadas.

Vai começar a colecionar vinhos? Conte para a gente nos comentários como essas dicas te ajudaram!